‘Locus amoenus', 'Locus horrendus’: paisagens coloniais da Amazônia no Século XVIII (1751-1759)

Thiago Gonçalves Souza

Resumo


Francisco Xavier de Mendonça Furtado e Teotônio da Silva Gusmão empregam, em suas cartas, topoi do Locus amoenus e do Locus horrendus para descrever a paisagem do Estado do Grão-Pará e Maranhão, em meados do século XVIII. Neste artigo, evidenciamos que, para além do emprego de lugares-comuns retóricos, tal descrição vai se inscrever nas políticas pombalinas de posse e organização 


Palavras-chave


Locus amoenus/Locus horrendus; Estado do Grão-Pará e Maranhão; Amazônia pombalina.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22409/cadletrasuff.2019n58a644

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



ISSN (online) 2447-4207
ISSN (impresso) 1413-053X


Indexado em:

Periódicos Capes    Diadorim Sumarios.org   Sumarios.org Livre Latindex MLA DOAJ


Licença Creative Commons
O periódico Cadernos de Letras da UFF utiliza uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional (CC BY-NC 4.0).