Número 63 -O bem e o mal no espelho da literatura latinoamericana (1977-2020) - Submissão de 01/11/2020 a 31/05/2021

Frente ao fascínio exercido pelo bem e pelo mal, a literatura posicionou-se desempenhando um papel chave tanto nas formas de sua representação e imaginação quanto na busca de suas origens e das relações entre um e outro. Certamente pode observar-se historicamente quando o pêndulo inclina-se para o campo do mal. Na Antiguidade surge o poeta vates refletido no Phaidros de Platão, que em um ato de alienação programática se converterá na imagem do poeta representado pelo diabo. Partindo da hipótese de que o mal funciona desde o fim do século XVIII como objeto demonstrativo para criar suspense incluindo o efeito assustador como sinal para chamar a atenção, além de gerar sensação ou estímulo, enfocamos o discurso literário latino-americano desde A hora de estrela (1977) de Clarice Lispector a Roberto Bolaño, até a novíssima safra próxima de 2020. Na América Latina o género literário predestinado para tratar do mal - o romance policial – não tinha peso até que Jorge Luis Borges e Adolfo Bioy Casares prepararam a coleção Los mejores cuentos policiales para a editora argentina Emecé e Bioy Casares publicou La invención de Morel (1973). Abertos a leituras e releituras de cunhos diferentes, desde a semiótica até a sintomática, propomos uma pergunta central de perspectiva dupla: O que separa o bem e o mal no espelho da literatura e no discurso literário? E frisamos a proposta do crítico literário romanista alemão Harald Weinrich sobre o que chamava “a love affair” entre linguagem e literatura. Sua hipótese: a linguagem sem a “cultura da linguagem” (Leibniz) tem algo de monstruoso”.